Orquídea Sophronitis cernua - Floração 2015


Micro-orquídea Sophronitis cernua
Sophronitis cernua

Esta pequena orquídea alaranjada, Sophronitis cernua, velha conhecida de vocês, é bastante pontual. Todo final de verão, começo de outono, ela dá início aos preparativos para uma bela floração, a cada ano mais abundante. Desta vez, no entanto, ela conseguiu superar todas as expectativas - que geralmente são modestas, diga-se de passagem.

O exuberante bouquet da foto é apenas uma pequena parte das flores que esta orquídea produziu nesta estação. Infelizmente, nem todos os pseudobulbos florescem de maneira concomitante. No momento, por exemplo, enquanto algumas flores começam a murchar, outros botões iniciam o desabrochar. Na imagem acima, temos quinze flores, concentradas em apenas dois pseudobulbos. Dentre as orquídeas do gênero Sophronitis, esta é a mais generosa quanto ao número de flores.

Credito esta floração recorde a dois fatos inéditos no cultivo desta orquídea. Tivemos um verão bastante intenso, com altas temperaturas e um sol escaldante. Para piorar, esqueci-me de colocar a tela de sombreamento, em algumas tardes quentes. Como resultado, quase matei a Sophronitis cernua, que ficou com algumas folhas e pseudobulbos queimados. Imagino que este acidente possa ter contribuído para o aumento na quantidade de flores, neste ano, já que a luminosidade é um fator importante neste processo. Além disso, passei a adubar as orquídeas com um fertilizante mais rico em fósforo, alternando com o tradicional adubo para manutenção.

Toda vez que esta orquídea floresce aqui no apartamento, lembro-me de quão milagroso é este acontecimento. Típica habitante das árvores nativas da úmida Mata Atlântica, principalmente do sudeste brasileiro, esta Sophronitis cernua consegue sobreviver e produzir flores em uma minúscula e árida sacada de concreto, encarapitada no décimo andar de um prédio, em uma cidade cinzenta como São Paulo.

É bem verdade que esta orquídea, por incrível que possa parecer, já fez parte da paisagem do Parque Tenente Siqueira Campos, mais conhecido como Trianon, na Avenida Paulista, a poucos quilômetros daqui. Isto porque as árvores deste famoso parque são remanescentes da Mata Atlântica, representantes de espécies nativas que foram preservadas desde a época do descobrimento do país. E se a Sophronitis cernua consegue morar aqui no apartamento, quem sabe não possa, um dia, retornar às árvores centenárias do Parque Trianon, seu lar original?

12 comentários:

  1. São maravilhosas... pequenas de imensa beleza, delicadas e que, em conjunto, formam um bouquet apaixonante. Encantadoras, as tuas! Parabéns pelo cultivo e que elas retornem, sim, ao seu antigo lar! Um abraço, Alexia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alexia, tomara que sim! Que linda a sua mensagem, fico feliz por saber que gostou destas pequenas! Muito obrigado pelo apoio da sua visita, sempre muito importante para mim!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Sérgio, querido amigo
    Enviei a voce duas mensagens mas deve ter havido algum problema, pois não foram publicadas. Não me adaptei bem a esse formato ainda...mas de qualquer forma suas orquideas estão belissimas, enfeitando seu ape, site e os nossos olhos. Aqui, com o frio chegando apenas os vasos de Sapatinhos estão florescendo...singelos, enfeitando a sacada com seus tons marrons e se confundindo com as nuances e o ar do outono...
    Grande abraço.
    Dinda Cardoso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dinda, tudo bem? Que estranho, eu tenho recebido e publicado suas mensagens. Por favor, dê uma olhada nos artigos anteriores e veja se as encontra. Peço desculpas pelo inconveniente.

      Que ótimo saber que gostou desta orquídea. Parabéns pela floração dos seus sapatinhos, adoro esta orquídea! Muito obrigado pela linda mensagem e pelo carinho!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Que maravilha, floração exuberante, a cor é um espetáculo indescritível. Amo essas pequeninas. Parabéns, errando você pode ter descoberto um truque e tanto. Mas não negligencie de propósito, acho que elas entendem nossa alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Lucia! Concordo com você, elas entendem, sim! Pode deixar que não vou me descuidar delas. Que ótimo saber que gostou desta floração, muito obrigado pelo carinho da visita!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Olá meu querido amigo Sergio, tudo bem?
    Pois é, voltei...rsrs
    A gente demora, mas sempre volta porque aqui encontro muita paz!

    Amigo, senti falta dos slides lindos das fotos das suas orquídeas no cabeçário do blog.. Eles não existem mais ou é o meu computador que não está mostrando? rsrs Puxa, eu ficava embevecida com tamanha beleza! Adorava!!!

    Que orquídea linda esta que ilustra o artigo... E realmente eu fico pasma com a sua capacidade em dar conta de cuidar de tantas orquídeas e deixar todas belas assim, como linda vermelhinha...
    E você cuida muito bem, o calor é que foi demais neste início de ano e pode ter influenciado não é?

    Beijão amigo, foi muito bom estar aqui!
    Maravilhoso fim de semana! :))))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana! Que grata surpresa receber sua visita! Adorei!

      Então, infelizmente, os slides não existem mais! Tive problemas com eles, estavam tornando o site lento. Que pena, peço desculpas!

      Imagine, devo confessar que não dou conta. Só mostro as que florescem, mas muitas sofrem. De fato, o calor e a falta de água influenciaram, sim!

      Que alegria, muito obrigado pelo carinho da sua mensagem. Você faz falta neste espaço.

      Um grande beijo e um excelente final de semana para você também!

      Excluir
  5. Flavio Inocêncio12 de junho de 2015 20:57

    Olá Sergio, tudo bem? A floração desta Sophronitis está realmente de encher os olhos, sou apaixonado por orquídeas e as micros são as minhas preferidas por serem de suma delicadeza.
    enfim, tenho três plantinhas dessa aqui comigo e duas estão floridas, uma com três flores e outra com duas, sendo que estas eu adquiri recentemente numa expo em minha cidade e já escolhi em espata.
    um dia irei me arriscar em comprar uma mudinha da amarela e se tudo der certo e a planta reagir bem, eu te presenteio um corte dela.
    no Facebook eu tenho contato com um senhor que tem desta planta e pode me vender um exemplar, só me resta agora engordar o "porquinho" rsrs pra ter uma aqui.
    Parabéns pela planta e que Deus o abençoe cada vez mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Flavio? Por aqui, tudo em ordem! Que ótimo saber que está com suas orquídeas floridas! Parabéns!

      Eu também acho a variedade amarela um espetáculo, mas nunca tive coragem para comprar. Achei os valores tão elevados. Torço para que consiga adquirir a sua, mas imagine, nem se preocupe em me dar um corte! Muita generosidade sua, mas eu não poderia aceitar. Agradeço, de coração, por se lembrar de mim!

      Amém, Flavio, muito obrigado pela visita e pelo comentário!

      Um grande abraço e tudo de bom!

      Excluir
  6. boa noite ,tenho uma orquidea sophronitis coccinea mas ela não se desenvolve ,vi que vc tem dessa qualidade ,pode me ajudar obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cleusa, boa noite! Infelizmente, a minha Sophronitis coccinea morreu. De fato, acho uma planta difícil de se cultivar. Ela gosta de bastante umidade ambiente e luminosidade apenas indireta.

      Um grande abraço!

      Excluir