Haste da orquídea - Corto ou não corto?


Laeliocattleya Pink Favourite
Laeliocattleya Pink Favourite

Após o término da floração das orquídeas, muitos ficam em dúvida sobre o que fazer com as hastes florais. Cortar ou não cortar? Parece uma questão banal para o cultivador experiente, mas confesso que também tinha esta dificuldade, no começo. 

A verdade é que não há uma solução única para este dilema. Dentre as muitas variáveis em questão, estão as vontades da própria orquídea e de seu dono. Neste contexto, apresento a seguir alguns dos pontos importantes a serem considerados, antes que a decisão final seja tomada.


1. A natureza da orquídea


Como existem milhares de espécies de orquídeas, é fundamental sabermos as particularidades de cada planta que estamos cultivando. Algumas orquídeas, talvez a maior parte delas, simplesmente não florescem novamente na mesma haste, após o fenecer das flores. Punto e basta, como dizem os italianos.

Determinadas orquídeas, no entanto, apresentam esta capacidade de emitir novas flores a partir das hastes florais antigas. O caso mais emblemático é o da Phalaenopsis. Outro exemplo, talvez menos conhecido, é o da orquídea Tolumnia. Na maioria dos casos, são as variedades híbridas destes dois gêneros que costumamos encontrar no mercado.

Para estas orquídeas, existe a possibilidade de uma nova floração ocorrer na mesma haste. Contudo, este evento não é líquido e certo. Tudo vai depender de uma segunda questão, que concerne à própria orquídea.


Orquídea Phalaenopsis híbrida
Phalaenopsis híbrida


2. A vontade da orquídea


Frequentemente, mantemos as hastes florais de uma orquídea Phalaenopsis ou Tolumnia, na esperança de uma segunda floração e, por vezes, ficamos a ver navios. A haste simplesmente seca. Neste caso, a única solução é cortá-la. 

Eu, particularmente, prefiro sempre cortar as hastes e espatas secas, não só por uma questão estética, mas também por motivos fitossanitários. É bastante comum que estas estruturas sejam atacadas por fungos e bactérias, além de serem potenciais abrigos para certos insetos, como cochonilhas.

Caso a orquídea esteja de bom humor, ou graças a uma série de condições climáticas e culturais que desconhecemos, sua haste antiga pode emitir novas flores, em hastes secundárias. Este bônus de floração, no entanto, costuma ter seu preço. Geralmente, a quantidade de flores é menor. Outro problema é que a orquídea não descansa, emitindo uma floração após a outra. Em alguns casos, este processo pode debilitar a planta.

Outra situação bastante comum, no caso da Phalaenopsis, é que da haste floral surjam keikis, brotos que irão gerar uma nova planta. As condições que determinam se uma planta vai emitir flores ou keikis ainda não são bem conhecidas. Portanto, é sempre uma surpresa a cargo da orquídea.




Keiki de orquídea Dendrobium loddigesii
Keiki de Dendrobium loddigesii


3. A vontade do dono da orquídea


Como em todas as áreas, o ser humano também pode colocar seu dedinho e interferir neste processo de floração das orquídeas. Caso o cultivador deseje ter uma bela floração, com aquelas hastes repletas de flores perfeitamente simétricas, o melhor a fazer é cortar a haste antiga, rente à base, e cuidar muito bem da orquídea, aguardando sua nova floração no ano seguinte. 

Neste período, a orquídea terá a oportunidade de descansar, emitir novas folhas e raízes, armazenando recursos para a próxima florada. Quando a ocasião chegar, ela emitirá uma ou mais hastes florais do zero, a partir das axilas de suas folhas, produzindo um belo espetáculo de floração.

Outros cultivadores, no entanto, preferem ter a casa florida por mais tempo. Neste caso, é possível manter a haste floral antiga e aguardar por uma eventual segunda floração. Esta, no entanto, costuma vir com menos vigor.

Algumas pessoas, com o intuito de estimular a brotação de novas ramificações, cortam a haste antiga em determinados pontos. Não há uma regra fixa, eu mesmo nunca fiz isso. Mas já li recomendações de se cortar a haste no terceiro nódulo, contando de baixo para cima. A teoria por trás deste procedimento é a dominância apical, sobre a qual falaremos em um futuro artigo.

Há também o conselho de se passar canela em pó no corte. Dizem que é para estimular o crescimento de hastes florais ou brotos (keikis), mas não acredito que isso aconteça. De qualquer forma, a canela pode prevenir que o corte seja invadido por fungos ou bactérias.

Como puderam notar, a resposta a uma questão aparentemente simples é longa, complicada e talvez enfadonha. Mas é o que costumo explicar aos leitores que frequentemente me procuram para sanar dúvidas a este respeito. 


Concluo com um posicionamento que é apenas pessoal. Eu costumo cortar as hastes após o término da floração. Acredito que, ao fazer isso, tenho mais e melhores flores no ano seguinte. Além disso, proporciono um descanso à orquídea, que segue seu ciclo natural de crescimento vegetativo. Mas nada é rígido, existem sempre outras possibilidades.


42 comentários:

  1. Maria Cristina Moreto15 de maio de 2015 04:48

    Muito obrigada pela explicação. Foi muito útil. Boa noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria Cristina! Imagine, de nada! Que bom saber que gostou, muito obrigado pela visita e pelo comentário!

      Um grande abraço e uma ótima noite!

      Excluir
  2. boa postagem,e esclarecedora!…Abraços.Sergio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suely! Tudo bem? Imagine, você sempre gentil. Fico feliz por saber que gostou, muito obrigado pelo apoio, sempre!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Valéria Andrade15 de maio de 2015 04:49

    Obrigada pelas dic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Valéria, tudo bem? Que pena, parece que sua mensagem foi cortada. Mas imagine, eu que agradeço a você pela visita e pelo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Boa noite Sergio!
    Mais uma vez uma ótima matéria!
    Sempre ficava em dúvida se cortava ou não a haste. Logo na primeira vez que cortei, obtive um keiki, que agora planta adulta floresce pela segunda vez. Mesmo assim, ultimamente ando deixando a cargo das orquídeas e suas vontades! Rsrs
    Parabéns pelo blog! Fico encantada com seus exemplares!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mariana! Boa noite!

      Imagine, bondade sua! De fato, acho que a sua decisão é sábia. No fim, elas acabam fazendo o que querem!

      Mas fico muito feliz por saber que está gostando do blog e das orquídeas! Muito obrigado pelo carinho e apoio da sua visita!

      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Maria Rita Cabral15 de maio de 2015 04:50

    muito boa colocação, eu também as corto, mas preservo da Coppensia vasconcelosiana que nem na natureza eles viram frutos, só keikis que aparecem os floração e antes da haste secar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria Rita! Que interessante este comportamento da Coppensia vasconcelosiana! Muito obrigado por compartilhar conosco seu conhecimento! Fico feliz por saber que gostou do artigo, muito obrigado pelo carinho e apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir
  6. Querido amigo Sérgio,

    Espero que a Páscoa tenha sido abençoada para voce e familiares… Tempo de reflexão…de aproximação…de decisões…
    Gostei muito de suas colocações sobre podarmos as hastes após a floração ou não. As orientações embasadas em questões fitossanitarias e biológicas sobre cada espécie são de grande valia, pois caso contrário, poderíamos parecer um tanto quanto ingratos com a natureza…após recebermos tamanha beleza vinda das florações podaríamos a haste e pronto…
    Agradeço sua presença e considerações tão importantes.

    Grande abraço,

    Dinda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dinda!

      Tudo bem? Sim, passamos uma Páscoa abençoada, graças a Deus! Muito obrigado, também espero que tenha tido ótimos momentos junto à sua família!

      Que ótimo ler seu comentário e apreciar suas considerações sobre o artigo. Sua participação é sempre muito bem-vinda e importante para este trabalho. Muito obrigado pela contribuição!

      Um grande abraço!

      Excluir
  7. Boa noite, Ótima matéria. Muito elucidativa.
    Adorei. Parabéns!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rita, Boa Noite! Fico muito feliz por saber que gostou da matéria, muito obrigado pela visita e pelas palavras de apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir
  8. Ola Sérgio, como sempre um excelente artigo, sempre tive essa dúvida, mas no fim acabo cortando a haste, tenho dó da bichinha se esforçando pra florir de novo. Mas desta vez vou tentar cortar no terceiro nó pra ver se tiro umas mudinhas. Valeu Sérgio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luís Henrique, tudo bem? Imagine, bondade sua! Mas que bom saber que gostou do artigo! Eu também fico com pena. Vou torcer para que você consiga mudas a partir da haste, boa sorte! Muito obrigado pelo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  9. Excelente discussão Sérgio…acho q após ler o seu posto vou começar a deixar as hastes das duas phalaenopsis q tenho, por mais tempo, assim ela poderá se poupar de desenvolver uma nova haste!
    No mais, trata-se de uma postagem de grande valia! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalo, tudo bem? Que interessante, boa ideia. Mas fico feliz por saber que gostou da postagem, sua opinião é sempre muito importante!

      Super obrigado pelo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  10. Obrigada Sérgio, sempre tive essa dúvida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Cláudia! Imagine, de nada! Eu que agradeço a você por ler e comentar o artigo!

      Um grande abraço!

      Excluir
  11. Querido amigo Sergio, que saudades!
    Nossa, quando a gente fica longe dos amigos, ao retornar, dá uma vontade de abraçar!
    Sinto tanto a falta, mas atualmente as coisas andam tão corridas para mim …
    Entretanto, sempre tem um tempinho para matar as saudades! :))))

    Uau, isto era uma pergunta que eu sempre queria fazer mas tinha vergonha de perguntar! hehehe Na última vez a mamãe cortou a haste da orquídea dela, mas com o coração na mão batendo descompassado com medo de machucar a orquídea. Mas, segundo seus ensinamentos, parece que ela fez bem ao extirpá-la para impedir que a haste que gerasse problemas no futuro…

    Amigo, belas lições! ADOREI! E explicou tão naturalmente que ficou nada enfadonho viu?
    Aproveito para deixar desejos de uma semana maravilhosa, com muita alegria e muito sucesso com suas preciosidades amigo!
    Beijos!! :)))))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana! Há quanto tempo, também estava com saudade!

      Imagine, nem se preocupe com isso. Para mim, é sempre um prazer e uma alegria receber a sua visita, seja quando for. Fico muito contente por saber que gostou das explicações, parabéns à sua mãe pela sábia decisão!

      Muito obrigado pelo carinho do seu comentário e pelo prestígio da sua visita!

      Um grande beijo e uma excelente semana para você também!

      Excluir
  12. Ótima postagem e realmente muito esclarecedora. Eu normalmente deixava. Ah lembrei q na Exposição de Guarulhos no dia 07/12 perdi sua aula, mas assisti do sr. Kayashima. Parabéns pela postagem. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sussumu! Tudo bem? Poxa, que pena não termos nos encontrado! Mas que bom que assistiu à palestra do sr. Kayasima, um exímio conhecedor das orquídeas. Que bom saber que gostou da postagem, muito obrigado pela visita e apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir
  13. Olá, Sérgio, tudo bem? Assim como você, tenho uma paixão pelas mini-orquídeas, especialmente, híbridos de laelias rupestres. Você poderia me indicar bons orquidários que vendam sophrolaelias ou laeliocattleyas? Tenho dificuldade em encontrá-las. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Erickson, tudo bem? Por aqui, tudo em ordem! Que legal saber que gosta das mini-orquídeas! Eu tento, há muito tempo, fazer uma coleção delas, mas como você bem mencionou, é difícil encontrá-las. As que eu comprei vieram de um fornecedor do qual não gostei muito. Por isso, não gostaria de recomendá-lo. Acho que o melhor seria procurar em exposições, na seção de vendas, ou diretamente nos orquidários. Fico devendo uma resposta, mas assim que tiver mais informações, eu as passo para você. Muito obrigado pela visita e pelo apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir
  14. Muito esclarecedor seu artigo. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ney, tudo bem? Fico contente por saber que gostou do artigo, muito obrigado por ler e comentar!

      Um grande abraço!

      Excluir
  15. Uma super Phal me surpreendeu ao não se despedir de apenas 2 flores. Antes que secassem começo a brotar novas flores nas pontas de todas as ramificações. Vou te mostrar lá no Face. Tenho pena de cortar e interromper isto. Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Lucia, que interessante! Vou lá ver, sim. Com certeza, vai de cada um manter ou cortar a haste. Mas que bela surpresa. Muito obrigado por compartilhá-la conosco!

      Um grande abraço!

      Excluir
  16. Boa tarde. Adorei a explicação. Estou começando a cultivar orquídeas em meu apartamento.
    Cortei no terceiro ramo da haste e passei canela. Esses dias verifiquei o crescimento de um caule na lateral. Não se foi o corte ou a canela. Feliz com isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lúcia, boa tarde! Que legal, parabéns! Muito obrigado por compartilhar sua experiência conosco. Eu, particularmente, acho que o corte estimula a brotação.

      Um grande abraço!

      Excluir
  17. Sempre gostei de orquidea, e hoje ganhei uma do Dias das Maes, e ja fui buscar informacao, e descobri seu artigo, amei a explicacao, mas quero lhe fazer uma pergunta, moro num Pais muito frio, como faco tem lugares no meu apto que mais quente e mais frio??? Desde ja obrigada, um grande abraco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marcely! Tudo bem? Que ótimo saber que nos encontrou, tomara que goste do conteúdo! Existem orquídeas que só florescem em locais de clima frio, esta é uma grande vantagem, no seu caso. Para sabermos com certeza onde deixá-la, é importante sabermos o nome da sua orquídea. Caso tenha uma foto em alguma rede social, posso tentar identificá-la. Muito obrigado pela visita!

      Um grande abraço!

      Excluir
  18. Boa tarde Sergio!!
    Adoro seus artigos, sempre muito clara suas explicações, mas estou precisando de ajuda com minha orquídea, pois está brotando a haste, é novinha é uma de suas folhas parece estar com acúmulo interno de água, parece podre, então cortei, passei canela. Só que passaram-se alguns dias e está acontecendo o mesmo nas outras folhas. Por favor me ajude, nao sei o que fazer, não quero perdê-la. Tenho fotos da orquídea, como posso enviá-la. Desculpa-me em lhe fazer este pedido aqui, mas não sei mas o que fazer. Se puder me ajudar ficarei muito grata.
    Agradeço antecipadamente,
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helena, boa noite! Perdão pela demora em responder! Que bom saber que está gostando das explicações, muito obrigado pela visita!

      Você fez bem em cortar a folha afetada, esta é uma doença grave, causada por bactérias. Vi as fotos no Facebook. Geralmente, estes sintomas são causados por excesso de umidade na planta, principalmente no miolo entre as folhas. Procure deixá-la separada das outras plantas, retire o cestinho de cachepot e mantenha o vaso sem o pratinho. A água precisa escoar bem. Quando regar, procure não molhar as folhas, apenas o substrato. Deixando a planta mais seca, você consegue controlar esta doença. Boa sorte! Abraços!

      Excluir
  19. Primeiramente parabéns pelo site. Eu tenho uma dúvida que não consegui sanar em minhas pesquisas pela web. Adquiri uma orquídea Phalaenopsis e resolvi cultiva-lá em meu apartamento após a floração. Acontecer que após 6 meses ela deu sinal de nova floração. Existe uma pequena haste crescendo próximo à base da planta. Minha preocupação que a haste já encontrou na folha e parece que vai penetrar pela mesma... Eu devo cortar a folha para liberar a haste que cresce ou devo deixar a natureza fazer o seu trabalho? Desde já obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alessandro! Que bom que gostou do site, muito obrigado pelo apoio! Uma coisa que você pode fazer é orientar a haste em direção à luz. Desta forma, ela irá se inclinar, como costuma fazer na natureza. Outra alternativa é fazer um tutoramento, com bastante cuidado e delicadeza, para que ela desvie sua trajetória. Espero que funcione.

      Um grande abraço!

      Excluir
  20. Ola, preciso de ajuda. Agora que consegui que minha orquidea vingasse ( pois já comprei varias e todas morreram acho que por eu morar em uma casa com telha de eternite), mas não vem ao caso. Essa que comprei continua linda mesmo apos 1 ano, mas em um dos caules nasceu um broto com raiz e tudo e não sei o que fazer. Poderia me ajudar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Lucia! Que ótimo, é um keiki, uma orquídea bebê. Quando as raízes estiverem bem desenvolvidas, a planta pode ser destacada da haste e plantada em um vaso separado.

      Um grande abraço!

      Excluir
  21. A haste da minha orquídea phalaenopsis secou só a pontinha. Devo cortar essa parte que secou? Muito obrigada pelas suas dicas, sempre corro aqui quando tenho dúvidas do que fazer com minha orquídea.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Letícia, que pena! Não se preocupe em cortar a ponta, vamos aguardar e ver se surgem brotos ou novas ramificações. Ainda assim, lindas flores poderão surgir. Muito obrigado pelo carinho, que bom saber que está gostando das dicas!

      Um grande abraço!

      Excluir