Como regar orquídeas durante a seca


Mini-orquídea Sophronitis Arizona
Sophronitis Arizona

A escassez de chuvas e consequente falta de água em São Paulo tem atingido contornos dramáticos. Toda vez que vejo as fotos das represas no noticiário, sinto sede. Nesta situação atípica, gostaria de dividir com vocês algumas dicas que tenho adotado para regar as orquídeas com menos água.

Talvez uma das poucas vantagens de se cultivar orquídeas em apartamento seja em relação ao número de plantas. Em ambientes mais compactos, obrigatoriamente temos uma quantidade mais reduzida de orquídeas, o que facilita na economia de água. Enquanto grandes coleções precisam de mangueira, em apartamento um pequeno borrifador ou aspersor dão conta do recado.

O uso do borrifador traz duas vantagens importantes. Primeiro, a pessoa sabe exatamente o quanto de água está aplicando na planta. Com a mangueira, corremos o risco de esquecer da vida e seguir regando. Com o aspersor, sei que gasto um litro e meio de água a cada rega, que é a quantidade que cabe no reservatório.

Outra vantagem é que a água sai mais lentamente. Com a mangueira, o fluxo é mais intenso e muita água é desperdiçada, escorrendo rapidamente através do substrato, muitas vezes sem nem molhá-lo adequadamente. Com o spray gerado pelo borrifador, a água é fornecida em doses homeopáticas, tendo tempo de se infiltrar e umedecer devidamente o substrato.

Outro mecanismo que ajuda bastante na economia de água é a bandeja umidificadora, a famosa humidity tray. Como há uma fina lâmina de água permanente no fundo da bandeja, o substrato demora mais para secar. É outra forma de rega homeopática, já que a água sobe muito lentamente, por evaporação, mantendo o microclima mais úmido ao redor das orquídeas. A quantidade de água usada para manter este sistema é mínima.

Mais detalhes sobre este e outros métodos de rega podem ser encontrados neste artigo:


É bem verdade que somente o aspersor não dá conta de regar adequadamente as orquídeas. Periodicamente, um bom banho debaixo da mangueira é necessário. No caso aqui do apartamento, faço isso na banheira, com o chuveirinho. Nestas ocasiões, o consumo de água é maior. Mas não é superior à quantidade gasta no banho de uma ou duas pessoas. Com a diferença que é apenas quinzenal. Antigamente, fazia este procedimento semanalmente, mas reduzi.

Com esta redução, é importante também ajustar a frequência da adubação química. Se antes eu adubava semanalmente, hoje adubo quinzenalmente. Desta forma, não ficam sais do fertilizante acumulados no substrato, entre um banho e outro.

Por fim, a escolha do material em que cultivamos as orquídeas influencia na quantidade de água que usamos para regá-las. Vasos de plástico e musgo sphagnum retêm a umidade por mais tempo, ao passo que o vaso de barro e casca de pinus secam mais rapidamente.

Torcendo fervorosamente para que a situação melhore em breve, deixo vocês com a imagem da mini-orquídea vermelha Sophronitis Arizona contemplando do alto a cidade esturricada.


Video: Onde cultivo as Orquídeas no Apê

Pequeno tour pela sacada onde são cultivadas as orquídeas publicadas no blog. O orquidário vertical está em uma varanda que mede 3 m x 50 cm e é basicamente composto por três prateleiras em cada lateral das janelas centrais.


18 comentários:

  1. Gabriela Yokomizo15 de maio de 2015 06:50

    Gostei muito das dicas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabriela, que bom! Fico contente, muito obrigado por ler e comentar!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Boa noite meu querido amigo Sergio!
    Como vai, tudo bem?
    Eu estava mais sumida em razão das minhas férias virtuais…rsrs
    Mas antes de chegarem as festas de final de ano, estou indo aos blogs mais queridos, para poder deixar um abraço, um carinho e agradecer por ter me acompanhado em mais 1 ano! E ESTE FOI MÁGICO! Suas orquídeas são MARAVILHOSAS!!!!! :)))))))

    Elas estão cada vez mais belas e mesmo diante da ausência de água, você traz dicas preciosas para cuidar com muito zelo destas belezuras!
    Também acho bastante prático o uso do borrifador, pois a economia de água é excelente e as gotículas preciosas não se perdem! Muito boa ideia mesmo amigo!

    Agradeço mais uma vez sempre amigo, você está em meu coração!!
    Beijos e um maravilho restinho de semana tá?
    Ainda não vou me despedir e desejar feliz 2015, pois tenho certeza que a gente ainda se encontrará antes do final do ano né?
    Beijão!! Lindos dias!! :)))))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana! Mas que alegria receber o seu comentário! Muito obrigado pelo carinho! De fato, foi um ano cheio de novidades. Para mim, foi um prazer e uma honra contar com a sua companhia e apoio, sempre comentando e abrilhantando os artigos aqui do blog. Agradeço de coração pela belíssima mensagem, adorei!

      Beijo grande e até mais!

      Excluir
  3. É verdade Sérgio, esta questão da água é mt importante, tanto no que diz respeito ao uso racional qt em relação às nossas orquídeas, pois umas precisarão de mais água, outras, menos (no caso, umidade)!
    Por isso, entre outros, vc nos trouxe uma boa reflexão!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalo! Pois é, tem sido difícil equilibrar estes parâmetros. Mas que bom saber que gostou do artigo, muito obrigado pela visita e apoio, sempre!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Olá Sergio, gostaria primeiramente te parabenizar pelo site maravilhoso com os temas e fotos que gosto tanto de ficar apreciando, na esperança de um dia conseguir fazer minhas orquídeas ficarem pelo menos próxima da beleza das suas!!!! Tenho algumas orquídeas que ficam em vasos de fibra de coco com esfagno devido ao vento e o clima que estamos enfrentando, porém algumas delas estão ao que me parece com as folhas murchas e outra na mesma planta com a folha como se estivesse encharcada. Não sei se estou aguando muito ou pouco, ou até mesmo se estou borrifando talvez muito adubo. Por favor me ajude!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Clara, tudo bem? Que bom saber que está gostando do site, fico muito feliz! Tenho certeza de que está no caminho certo e terá belíssimas florações no futuro.

      Os vasos de fibra de coco costumam reter bastante umidade. Em combinação com o sphagnum, talvez as raízes das suas orquídeas estejam ficando úmidas por muito tempo. Por alguma razão, as raízes não gostam deste material das placas e vasos de fibra de coco. Alguns dizem ser o problema da cola que une as fibras. De todo modo, eu aconselharia a substituí-los por vasos de plástico, que também retêm bastante a umidade. O ideal é regar apenas quando o substrato estiver seco. A adubação pode ser semanal ou quinzenal, mas sempre bem diluída. Espero que tudo fique bem, boa sorte! Muito obrigado pela visita!

      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Oi Sergio, esqueci de perguntar…
    tenho duas cymbidium em vasos e não sei como devo água-las já que são terrestres!!! tks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Clara, no caso do Cymbidium, você pode cuidar como uma planta de jardim, normalmente. Não tem muito problema quanto ao excesso de regas. Mas pode-se adotar o mesmo critério das outras orquídeas, regando apenas quando a terra estiver seca.

      Abraços!

      Excluir
  6. Oi Sérgio. Lindas flores. Sou apaixonada por qualquer tipo de flores, mas especialmente as orquideas e as rosas. Vc vende orquideas? Tenho poucos exemplares. Adorei suas fotos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laudione, tudo bem? Peço desculpas pela demora em responder! Que bom que gostou das flores e fotos, fico contente!

      Infelizmente, não vendo orquídeas. Minha coleção é pequena. Mas muito obrigado pela visita e pelo interesse!

      Um grande abraço!

      Excluir
  7. Sergio, fiquei com uma dúvida: eu costumo adubar quinzenalmente com adubo líquido diluído. Quando devo fazer a rega (a mais intensa) de modo a não deixar acúmulos de sais no substrato, mas tb sem anular o efeito da adubação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felicia, tudo bem? Peço desculpas pela demora em responder. Boa pergunta! Eu faço a adubação após a rega mais intensa. Deste modo, o adubo não é perdido. Mas eu espero algumas horas após o banho ou adubo no dia seguinte. Se a adubação for feita logo em seguida, o substrato está muito encharcado e o adubo passa direto. Muito obrigado pela visita e pela participação!

      Um grande abraço!

      Excluir
  8. Ola Sergio, gostaria de saber se qdo a sophronitis conheça a formar o botão floral posso molhar a planta inteira? As minhas estão começando a florescer pela primeira vez mas não tenho ideia de como molha las sem atingir os botões. Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, tudo bem? Ótima pergunta! De fato, no caso da Sophronitis cernua, é impossível regar sem molhar os botões ou flores. Neste caso, o importante é que a planta esteja em um local bem ventilado, com boa iluminação, e que a rega seja feita logo de manhã. Todos estes fatores possibilitarão a secagem rápida da orquídea, de modo que fungos não estraguem a floração.

      Um grande abraço!

      Excluir
  9. Boa noite Sergio
    Tudo bem ?
    Não entendo nada de orquídeas mas as Catleias vermelhas me fascinam e eu quero presentear uma amiga super especial com uma mas ela tem o seu dia a dia bem corrido, minha dúvida e sobre seu cuidado ele e prático ?
    Grata
    Mariah F.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mariah, boa noite! Tudo bem? Concordo com você, uma Cattleya vermelha é um presente especial. A cor é rara e belíssima. O cuidado com as Cattleyas não é diferente daquele para a maioria das orquídeas epífitas. Não é necessário regar todos os dias, a adubação pode ser semanal, quinzenal ou até mais espaçada, dependendo do tipo de fertilizante. Mas ela precisa de bastante luminosidade, sem sol direto. Acho que ela vai gostar!

      Um grande abraço!

      Excluir