Uma orquídea de floração precoce e frequente


Laelia alaorii x Laelia sincorana
Laelia alaorii x Laelia sincorana

Durante o desenvolvimento das orquídeas, principalmente aquelas pertencentes à grande aliança Cattleya, que inclui os gêneros Brassavola, Laelia, Sophronitis e seus híbridos, a espata é a estrutura mais aguardada quando procuramos por um sinal de floração. No entanto, do seu surgimento até as flores propriamente ditas, há um longo caminho a ser percorrido. Muitas vezes, ela chega a secar e só vai revelar botões florais muitos meses depois. Quando revela.

No caso desta simpática mini-orquídea híbrida, resultante do cruzamento entre Laelia alaorii e Laelia sincorana, as coisas são incrivelmente mais rápidas e fáceis. Nem bem o novo broto acabou de se desenvolver e já podemos vislumbrar uma incipiente folha gordinha, ainda fechada, no ápice do pseudobulbo. Aqui no apartamento, todos os anos, três vezes por ano, invariavelmente tem surgido uma surpresa de dentro desta folha, como ilustra a imagem acima.

Nada de espera, nem expectativa, nem mesmo espata. A folha desta orquídea abre-se e já revela precoces botões florais. No começo, costumava surgir apenas um. Com o passar do tempo, e comprovando a teoria de que as florações melhoram com a maturidade da planta, os botões começaram a vir sempre em dupla. Já mostrei várias florações desta orquídea no blog, mas não deixo de me entusiasmar a cada novo evento. Desta vez, gostei particularmente do modo quase dramático como eles saíram do casulo. A luz indireta e o fundo preto ajudaram na composição da cena. Prometo voltar em breve, com o desabrochar desta generosa dupla!

10 comentários:

  1. É uma alegria imensa quando eles surgem! Costumo olhar mais de uma vez ao dia, para ver se há algo novo acontecendo, quando os botões florais se evidenciam. É incrível como temos que controlar a ansiedade e exercitar a paciência, quando se trata de orquídeas... Mas a recompensa é sempre maravilhosa! E assim estaremos, pacientemente ansiosos, esperando pelas tuas flores...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alexia, tudo bem? É verdade, também tenho este costume de olhar várias vezes cada botão que aparece por aqui. No fundo, é uma grande alegria acompanhar este processo! Mas concordo quanto à ansiedade!

      Muito obrigado pelo comentário e pela participação, sempre muito importante para mim!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Boa tarde, Sérgio!
    Entendo bem essa alegria de ver a natureza dando seu recado. Ontem fiquei muito feliz de ver que uma divisão da Catléia Walkeriana, que separei, já está criando raiz. Muito bom! Grande abraço e mais uma vez obrigada por dividir conosco suas experiências.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suzana, boa tarde! Que legal, parabéns pela sua orquídea! De fato, estes pequenos detalhes são capazes de fazer nossa alegria. Imagine, eu que agradeço pela visita e pelo carinho do comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Esta tinha passado despercebido; logo essa que trás informações preciosas e habilidades desta maravilha de híbrido...rsrsrrsrsrs!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalo! Que bom que encontrou este artigo! De fato, é um híbrido muito generoso, de fácil cultivo! Muito obrigado pela visita e pelo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Estou fascinada acompanhando a trajetória de minhas novas Cattleyas e Blc. Não tem como não se emocionar. É lindo. Obrigada por tanta ajuda! Sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Lúcia, que legal! Parabéns pelas meninas, desejo tudo de bom para o seu cultivo! E imagine, eu que agradeço a você pela visita e apoio, sempre!

      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Sérgio,com que modelo de câmera você consegue fotos tão boas?
    Estou à procura de uma que me dê qualidade de imagem bem aproximada. Você poderia me ajudar? Grata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Angela! Na verdade, eu uso uma câmera super simples. Ela é compacta e totalmente automática. A marca é Nikon. Quando for procurar uma, apenas certifique-se de que a máquina seja capaz de tirar fotografias em modo ‘macro’. Geralmente, eles especificam a distância mínima que você pode se aproximar do objeto fotografado. Não é preciso um equipamento caro para tirar boas fotos. Muito obrigado pela visita e pela participação!

      Um grande abraço!

      Excluir