Evolução do backbulb


Backbulb de Sophrolaelia Orpetii
Sophrolaelia Orpetii

Aproveitando que uma matéria deste blog foi publicada com destaque no portal Minhas Plantas, da Carol Costa, trago hoje uma atualização sobre a evolução do backbulb de uma mini-orquídea, tema daquele artigo. Vocês podem acessá-lo através deste link.

Resumidamente, a técnica de cultivo dos backbulbs permite que obtenhamos uma nova orquídea, totalmente de graça, a partir de pedaços da planta que seriam descartados, as famosas traseiras.

O exemplar da foto já tem um ano de cultivo. Durante este período, foram formadas duas gerações de novos brotos. Na foto, temos o backbulb (enrugado e sem folhas), a primeira geração (maior) e o novo broto em formação. O processo é lento, mas encorajador. O segredo é manter o ambiente bastante úmido, sem encharcar. Estas mudinhas estão crescendo em sphagnum puro, acondicionado em mini vaso de plástico sobre uma camada de argila expandida. Nota-se a umidade favorável através do crescimento espontâneo de musgo.

Até que esta muda floresça, será um longo caminho. Ainda assim, o desenvolvimento é infinitamente mais rápido e fácil do que aquele obtido através do plantio de sementes, que requer técnicas de laboratório e ambiente esterilizado. Enquanto as flores não chegam, deixo vocês com esta imagem que me transmite renascimento e esperança. Também deixo a promessa de mantê-los informados sobre o andamento deste experimento.

16 comentários:

  1. Como é lindo o renascer de uma planta né Sergio ??!!!
    Eu fico encantado/maravilhado com a perfeição da natureza.

    "Backbulb" é uma novidade pra mim, nunca vi esse termo. Vou ler mais sobre o assunto.

    Vida longa as novas mudinhas =)

    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Denis, tudo bem? Com certeza, acho um espetáculo!

      Há um blog em inglês sobre o assunto, escrevi algo neste post:

      Backbulbs

      Mas que ótimo ler sua mensagem, muito obrigado pelo apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Que coisa maravilhosa, a vida. É surpreendente (ao menos para mim) ver novos brotos surgirem assim, quando já nada se espera. Creio que o longo tempo de espera para a floração é secundário. Eu já me sentiria imensamente feliz com a esperança! Texto encorajador, este!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alexia, que linda mensagem! De fato, o simples renascer destes brotos já é um espetáculo digno de se acompanhar. Que bom saber que gostou, muito obrigado pelo carinho e apoio do seu comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Boa noite Sérgio. O que você me diz sobre a argila expandida? No meu cultivo inicial usei vários vasos com "argila", mas o resultado foi catastrófico , todas as plantas nelas cultivadas se estagnaram.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rinaldo, boa noite! Tudo bem? Pois é, este é um material controverso. Muitos têm experiências ruins, outros boas. Eu já cultivei diretamente em argila expandida, com resultados medianos. Hoje, apenas uso como dreno e dentro de uma bandeja, para manter a umidade.

      Mas sei de gente que utiliza a argila expandida pura, inclusive para recuperar plantas debilitadas. Acho que tudo vai depender do ambiente de cultivo e do manejo.

      Muito obrigado pela visita, que ótimo vê-lo por aqui!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Parabéns Sérgio, é uma ótima pedida...a técnica requer cuidados redobrados e muita paciência, mas está sendo primoroso para você!
    Parabéns também pela matéria publicada no "Minhas Plantas".
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalo, tudo bem? De fato, este é um bom exercício de paciência! Mas tem sido bastante prazeroso acompanhar esta evolução! Fico muito feliz com o seu comentário, super obrigado pela força e atenção!

      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Amigo, esta é aquela lá de 06/03/13, depois 07/10/13 e agora está assim?
    Fico hipnotizada aqui. Acompanho como se fosse minha. Fico feliz de saber que já está enorme desse jeito.
    Bj.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Lucia! Sim, esta é aquela de 07/10/13! A evolução é bem lenta, por isso é difícil fazer atualizações frequentes. Mas prometo mantê-la informada sobre o processo! Muito obrigado pelo carinho e interesse!

      Um grande beijo!

      Excluir
  6. Desculpe, o que eu ia te perguntar da publicação de 06/03/13 é se a Laelia alaori além de florescer mais de uma vez no ano, se ela costuma apresentar mais de uma flor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, sim, Ana, entendi! A Laelia alaorii pode apresentar mais de uma flor no mesmo pseudobulbo, mas o mais comum é que seja uma flor solitária. O que geralmente ocorre é que ela apresente várias flores, uma em cada pseudobulbo.

      Um grande abraço!

      Excluir
  7. Amigo por erro comprei 4 plantas floridas que chegaram sem identificação. Me ajude. como diferenciar a Cattleya da Laelia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Lucia, que pena. Há alguns anos, Cattleya e Laelia eram diferenciadas pelo número de políneas. No entanto, isto está mudando (as regras de classificação). Como a maioria das orquídeas que encontramos é híbrida e possui estes dois gêneros,é muito difícil diferenciá-las.

      O que se pode tentar fazer é esperar a floração e tentar a identificação pelo aspecto da flor.

      Abraços!

      Excluir
  8. Bom dia Sérgio, é possível fazer essa propagação com cattleyas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia, bom dia!

      Sim, é possível usar o método com Cattleya! No entanto, os resultados são incertos, às vezes funciona, outras não. Mas sempre vale a pena tentar!

      Muito obrigado pela visita e pelo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir