Sophronitis coccinea - Exuberante descendência


Família da Sophronitis coccinea
Família da Sophronitis coccinea


Mesmo tendo estudado biologia, a genética nunca foi meu forte. Embora saiba muito pouco sobre o assunto, fico fascinado sempre que vejo o resultado do cruzamento entre duas espécies. Gosto de analisar cada pequeno detalhe dos descendentes, tentando encontrar as contribuições dos progenitores. Neste sentido, os híbridos primários de orquídeas têm um espaço reservado em minha coleção.

Hoje, trago para vocês uma galeria destacando esta família especial, a Sophronitis coccinea e cinco de seus descendentes. Na foto acima, temos:


Sophrolaelia Orpetii (Sophronitis coccinea x Laelia pumila)

Sophrolaelia Marriotiana (Sophronitis coccinea x Laelia flava)

Sophrolaelia Coral Orb (Sophronitis coccinea x Laelia alaorii)

Sophrolaelia Jinn (Sophronitis coccinea x Laelia milleri)

Sophrocattleya Batemaniana (Sophronitis coccinea x Cattleya intermedia)

Cada um destes híbridos primários já foi apresentado individualmente em artigos anteriores, aqui no blog. Para relembrá-los, basta clicar no nome da orquídea.

É interessante observar que, quando cruzamos a Sophronitis coccinea com Laelias rupícolas, tais como Laelia flava ou Laelia milleri, o resultado é composto por flores em forma de estrela, com um colorido que mescla os tons dos pais. Já Laelia alaorii, Laelia pumila e Cattleya intermedia produzem híbridos com flores maiores e mais arredondadas. Felizmente, em todos os casos, estes cruzamentos produzem descendentes mais resistentes, de mais fácil cultivo, em relação à Sophronitis coccinea.

A Sophrolaelia Coral Orb é um caso digno de nota. Ela praticamente não mostra sinais das características de um dos pais, a Laelia alaorii. Este é um fenômeno conhecido, que se repete em todos os híbridos que contam com a participação desta orquídea, de características predominantemente recessivas.

Por fim, um dos resultados que mais me surpreende é a Sophrocattleya Batemaniana, que alia o fabuloso colorido escarlate da Sophronitis coccinea com as belíssimas pétalas flameadas da Cattleya intermedia flamea.

Também é curioso notar que, se compararmos dez irmãos de sementeira de cada um destes híbridos, encontraremos dez orquídeas diferentes, cada uma com sua própria personalidade. A intrigante beleza desta rica diversidade genética ainda é pouco valorizada. Hoje em dia, graças à popularização dos métodos de produção de clones, através da técnica de meristema, milhões de cópias exatamente idênticas de um único cruzamento bem-sucedido são produzidas e comercializadas. Todas as demais variações são menosprezadas. O que acaba sendo uma pena para quem gosta de apreciar, além da beleza, a diversidade desta rica família de plantas.

12 comentários:

  1. Lindas fotos... Fico me deliciando com os detalhes de cada imagem pois, assim como você, também sou apaixonada por fotografia. Artigo elucidativo, simples e plenamente esclarecedor!! Dessas, tenho a Sophrocattleya Batemaniana, uma muda que estou pelejando (sem muitas esperanças) da Sophronites coccinea e a Sophrolaelia Orpetii. Confesso que adquiri todas elas após começar a acompanhar seu blog e perceber sua empolgação com essas meninas e concluir que você tem toda razão em gostar tanto delas... Parabéns e grande abraço, querido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Roseana, que legal! Fico feliz por saber que o blog serviu de inspiração para a sua coleção de orquídeas! De fato, estas pequenas são surpreendentes. Ainda tenho alguns outros híbridos da coccinea que não floresceram.

      Muito obrigado pelo carinho do seu comentário, sou sempre grato pelo apoio e consideração!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Que bela aula de genética - imagine se fosse o seu forte!! É muito interessante saber um pouco mais sobre estas plantas maravilhosas. Fico assombrada toda vez que penso nas infinitas possibilidades de cores e formas que os cruzamentos proporcionam. Isso também faz das orquídeas, plantas excepcionais. E que belíssimo mosaico de flores, a ilustração deste post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alexia, imagine! Você que é sempre muito generosa! Fico feliz por saber que gostou do artigo e da ilustração! De fato, eu adoro esta coisa de analisar cruzamentos, embora não saiba planejá-los!

      Muito obrigado pela visita e pelo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Olá Sérgio!
    Muito bom artigo, fico "de boca aberta", observando qt conhecimento bom vc tem! Parabéns!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalo, tudo bem? Imagine, bondade sua! Que bom que gostou, muito obrigado pelo apoio e consideração!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Aprendo tanto contigo, meu amigo. Sério, não gosto muito de planejar o futuro, nem tenho a pretensão de ser expert nessas belezuras, mas sua maneira de falar delas me empolga a conhecer e aprender cada vez mais. Obrigada, sua forma de explicar é perfeita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! Mas que bom saber disso, fico super contente! Imagine, eu que agradeço a você pelas belas palavras de apoio, adorei sua mensagem!

      Um grande abraço e tudo de bom!

      Excluir
  5. Laurindo Lucas de Sales15 de maio de 2015 22:40

    Parabéns Sérgio pelo excelente artigo, tenho algumas phalaenopsis, cattleya, dendrobium, oncidium e recentemente adquiri uma Dhenphal, curto muito cuidar dessas belezas da natureza e depois ver o resultado quando elas florem, ainda sou leigo no assunto mas percebo que o interesse em ampliar o conhecimento a respeito das orquídeas já é latente. Caso tenha e possa repassar mais alguma orientação, desde já agradeço, grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laurindo! Tudo bem? Que bom saber que gostou do artigo! Que bela e variada coleção a sua, parabéns! Fico feliz em saber que está gostando de cultivá-las. Aqui no blog, no menu horizontal bem acima da tela, tem duas seções que talvez possam interessá-lo: Entrevistas e Dicas de Cultivo. Lá você encontrará informações úteis para cuidar da sua coleção. Além disso, fique à vontade para enviar suas dúvidas. Muito obrigado pela visita e pelo apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir
  6. Opa Sérgio. Espero que esteja tudo bem contigo. Acredito que não, mas minha pergunta é se você comercializa estas lindas flores? Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anselmo, boa noite! Infelizmente, não comercializo orquídeas. Apenas tenho uma pequena coleção. Mas muito obrigado pelo interesse!

      Um grande abraço!

      Excluir