Orquídeas aditivadas


Micro-orquídea Sophronitis cernua
Sophronitis cernua

O cultivo de orquídeas pode ser um hobby para alguns, um meio de vida para outros ou uma área da ciência para todos. No entanto, muito frequentemente, esta atividade acaba envolta em uma série de misticismos, crenças e polêmicas. Através das experiências individuais, cada cultivador vai estabelecendo suas verdades. 

No artigo de hoje, gostaria de listar algumas substâncias comumente utilizadas pelo orquidófilo amador, das mais banais às exóticas. Elas podem ser encontradas nos mais insuspeitos cômodos da casa. Não discuto a eficácia de cada método, que seria de difícil comprovação. Ao longo do artigo, faço menção aos nomes comerciais de alguns produtos, não para fazer publicidade, mas para deixar a lista mais interessante.

1. No banheiro


Ao fazermos cortes nas orquídeas, criamos áreas expostas que podem servir de porta de entrada para micro-organismos patogênicos. Para selar o corte, alguns orquidófilos utilizam pasta de dentes. Outros fazem uso do famoso antisséptico bucal, Listerine.

Para manchas suspeitas nas folhas, que podem ter origem fúngica ou bacteriana, alguns cultivadores lançam mão do Pinho Sol. A proporção varia, mas geralmente uma tampinha do desinfetante é diluída em um litro de água. A mistura é então borrifada sobre as orquídeas afetadas.

2. Na cozinha


Também no caso de cortes em orquídeas, muitos utilizam a canela em pó, como antisséptico e cicatrizante. Há quem faça uma pasta, misturando a substância com um pouco de vaselina. 

Para as pragas mais frequentes em orquídeas, das mais variadas origens, uma dupla costuma ser frequentemente utilizada: o alho e a cebola. Existem, na internet, diferentes receitas que levam estes dois ingredientes. Como eu nunca fiz, não poderia indicar uma em especial. De todo modo, obtém-se uma calda que, após filtrada e diluída em água, é borrifada sobre as plantas doentes.

Outro produto tão caseiro quanto polêmico é o Ajinomoto. Existem relatos de pessoas que usam formulações à base desta substância, juntamente com adubo e vitamina B1, para turbinar o crescimento e floração das orquídeas. O princípio ativo deste conhecido tempero é o glutamato monossódico, cujo uso também é controverso na culinária.

3. Na área de serviço


Talvez o mais polivalente produto utilizado pelos orquidófilos seja a água sanitária. Eu uso frequentemente, nas bandejas sob os vasos de orquídeas, para matar eventuais larvas do mosquito da dengue. Também costumo borrifar uma solução, contendo uma colher de sopa diluída em um litro de água, em todas as plantas. Percebo que este procedimento ajuda a controlar diversas pragas, como formigas, pulgões e cochonilhas. No entanto, não as erradica completamente. Também acredito que seja um bom aliado na prevenção de ataques por fungos e bactérias.

Outro procedimento que gera uma certa controvérsia é o uso da água de descarte da máquina de lavar roupas. Alguns orquidófilos recomendam a utilização desta água ensaboada para combater pragas, principalmente as causadas por insetos de carapaça. Eu não poderia testemunhar a favor da eficácia deste método.

4. Na farmácia


Aqui, os orquidófilos fazem a festa. O mais famoso produto das prateleiras de farmácias, usado em prol das orquídeas, é a vitamina B1 ou tiamina. É grande o número de pessoas que relata um crescimento acelerado das raízes de suas orquídeas, quando este produto é utilizado. As formulações variam. Eu utilizei Beneroc Júnior, 10 gotas em um litro de água, durante muito tempo. Confesso que, no meu cultivo em particular, não observei uma diferença significativa no desenvolvimento das raízes.

No caso de doenças causadas por bactérias, em orquídeas, alguns cultivadores utilizam a pomada Nebacetin, aplicada diretamente nas lesões. Os componentes ativos deste medicamento são a bacitracina e a neomicina, substâncias que inibem o crescimento das bactérias. O problema é que não é trivial identificar uma doença bacteriana em orquídeas. O mais correto seria ter o diagnóstico de um engenheiro agrônomo, que receitaria o defensivo apropriado.

Na seção das substâncias mais bizarras, cuja finalidade eu sinceramente desconheço, estão a Aspirina e o anticoncepcional. Sabe-se lá o que uma coisa dessas faria em uma orquídea, mas tem gente que utiliza.

5. Na seção de importados


Existem produtos frequentemente utilizados pelos orquidófilos americanos aos quais, infelizmente, não temos fácil acesso. Um deles é o Physan 20. Trata-se de um desinfetante à base de amônia quaternária, com comprovada eficiência no controle de fungos, vírus, bactérias e algas. Costuma ser utilizado tanto na limpeza do orquidário como na desinfecção das orquídeas, ajudando no combate a pragas e doenças.

Outro produto bastante interessante é a keiki paste. Trata-se de uma pasta contendo um concentrado de hormônios vegetais, cuja finalidade é estimular a formação de keikis (significa bebê, em havaiano) nas orquídeas. Costuma ser aplicada nas gemas dormentes das hastes florais de Phalaenopsis. Caso funcione como prometido, novas mudas podem ser obtidas a partir de um componente que seria descartado.

Por fim, talvez o mais famoso e controverso aditivo usado pelos orquidófilos seja o Superthrive. Sua fórmula é mantida em segredo, mas sabe-se que contém tiamina e hormônios vegetais. É vendido como um poderoso estimulador do crescimento de plantas em geral. Nas orquídeas, acredita-se que aja como um eficiente enraizador. Este é um produto que importei durante alguns anos, usei maciçamente, e acabei desistindo, por não observar resultados positivos para o meu cultivo.


Acredito que, com base nesta compilação, cada cultivador possa selecionar as substâncias que gostaria de testar, de modo a decidir o que é melhor para suas orquídeas. Não me atreveria a dizer o que funciona e o que é mito. Até porque, este é um assunto bastante polêmico e frequentemente debatido.

Conforme já havia escrito no artigo Alquimia orquidófila, após experimentar vários métodos para dar um up nas minhas orquídeas, acabei chegando à conclusão de que elas precisam de muito pouco para nos presentear com belas florações. A micro-orquídea que ilustra este artigo, Sophronitis cernua, disfarçada de tulipa, é uma prova disso. Este belíssimo desabrochar é fruto de cuidados simples, como rega, adubação e bastante carinho. Nada mais.




16 comentários:

  1. Oi, querido Sérgio. Sempre nos brindando com textos bem construídos, repletos de informações maciças sobre a nossa paixão que são as orquídeas. A biologia me conduziu aos primatas mas meus olhos me faziam enxergar nas matas em que pesquisava uma ou outra plantinha escondida atrás de um filhotinho do qual descrevia seu comportamento... Naqueles tempos, elas já me faziam suspirar... Essa paixão pelas orquídeas nos conduz aos mais malucos produtos para melhorar o cultivo, acelerar crescimento ou produzir florações excepcionais... Uma loucura!! Te confesso que tentei a maioria dos produtos que você descreveu... Uns com sucesso outros nem tanto... Da canela não abro mão e faço um preparado com cravos, água mineral e a própria que é um espetáculo: é só acrescentar umas dez gotas de iodo após 3 dias de infusão e borrifar nas meninas... Não tenho usado mais fungicidas... O própolis também uso com muita frequência e tem se mostrado uma boa alternativa no controle de bactérias e fungos... Desculpa o longo texto mas o seu artigo me induziu a contar um pouco do que faço!! Obrigada por compartilhar conosco seus conhecimentos. Adoro seus artigos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Roseana, tudo bem? Imagine, você sempre generosa, muito obrigado pelas palavras de apoio!

      Que interessante, adorei conhecer um pouco da sua trajetória de bióloga e orquidófila! Confesso que nunca tive o privilégio de observar uma orquídea em seu habitat. Deve ser uma experiência única.

      E adorei saber da sua experiência com fungicidas naturais! Que interessante, já anotei aqui, vou fazer. Imagine, eu que agradeço, de coração, pela sua visita, seu comentário e a valiosa contribuição ao artigo!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Muito engraçado, ecplicativo e interessante artigo. Parabéns ficou ótimo. Realmente em nome da grande paixão poelas orquídeas, os amantes de orquídeas chegam a cometer loucuras ou será mesmo alquimiorquídea?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tuca! Que ótimo saber que gostou do artigo, muito obrigado pela visita e pelo comentário! Concordo com você, estamos sempre experimentando algo novo nas nossas meninas!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Sergio, sou uma principiante muito cautelosa. Tenho um certo receio de fazer alguma coisa que vá de encontro à própria natureza das minhas filhas. Contando com a sua experiência e conhecimento científico, me sinto confiante na maneira como estou cuidando delas. Amo o seu jeito de nos expor suas experiências, parabéns sempre, Eu já fiz o inseticida caseiro de cascas de cebola e alho. Estou com sorte. Eu as mantenho protegida com a tela de sombrite a 50%. Meu ap é face leste e pega o sol da manhã em todos os cômodos. Espero cobrir todos os meus espaços com elas. Parabéns por esta beleza de hoje. É realmente linda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Lucia, que legal! É muito bom saber mais sobre a sua experiência com as orquídeas, os detalhes do seu cultivo! Muito obrigado pela participação e pelo apoio, que bom saber que gostou da orquídea de hoje!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. A S. cernua, que eu tanto amo!! Linda e maravilhosa!
    Belíssimo texto, como sempre. Me identifiquei em vários pontos. Creio que a gente "precisa" desses pensamentos mágicos para poder controlar a ansiedade que acompanha o crescimento e a floração das nossas orquídeas. Depois de um tempo entendemos que bastam, mesmo, os cuidados básicos e carinho, como bem salientas. Abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alexia! Que linda mensagem, concordo com você! Fazendo todas estas tentativas, ficamos com a consciência mais tranquila! Adorei o comentário, muito obrigado pela participação e apoio, sempre!

      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Obrigada Sergio pelo ótimo texto
    A imagem utilizada é de uma das orquídeas que mais gosto e não tenho sorte é claro.
    abraços e uma boa torcida para o nosso Brasil, a nossa Pátria amada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bete, tudo bem? Imagine, eu que agradeço pelo carinho da sua visita! De fato, também não tenho muita sorte com Sophronitis... Mas vamos levando!

      Um grande abraço e um ótimo jogo para você também! Tomara que dê tudo certo!

      Excluir
  6. Olá Sérgio,
    Mais um interessantíssimo artigo este sobre práticas e mitos no "mundo" da orquidofilia e cuja conclusão eu partilho na integra consigo. Também já experimentei alguns desses métodos/produtos e desisti ao fim de pouco tempo, por não verificar nenhuma vantagem e, pelo contrário, ter verificado vários inconvenientes. O que nossas orquídeas mais necessitam é de muito carinho e acompanhamento e o controlo, o mais eficaz possível, de três fatores fundamentais: temperatura, luminosidade e humidade/regas. Os nutrientes são importantes, mas sempre em doses moderadas.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Américo, tudo bem? Que ótimo receber sua visita! Para mim, é sempre uma honra contar com a opinião de um orquidófilo experiente como você. Sempre aprendo bastante com seus artigos e por isso, agradeço, de coração, pela valiosa contribuição para o tema deste artigo! Muito obrigado pelo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  7. Que interessante este teu post,Sérgio!!! E há tantas e curiosas receitas que prometem maravilhas por aí, que a gente fica mesmo sem saber o que fazer... Mas também concordo contigo, pois acho que para se ter plantas saudáveis e floridas, não se precisa de muita coisa,pois a própria natureza fantástica dessas incríveis plantas, se encarrega de tudo o que é imprescindível. Eu mesma, aqui em casa, sou "natureba" demais, e tenho muito receio de usar produtos químicos nas nossas queridas plantinhas...Tento também cuidar,adubar e dar carinho...No mais, deixo a natureza seguir o seu fluxo...Mas acho que o principal, no caso de algum experimento contra doenças, é usar o bom senso e uma fonte boa de informação...Mas no dia a dia com nossas plantinhas, sempre acredito que o amor é o melhor dos remédios...
    Tudo de muito bom,querido amigo e uma semana linda e tranquila pra você!!!
    Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Teresa! Que interessante, adorei saber um pouco mais sobre o cultivo das suas plantas, sempre tão lindas e floridas! Concordo com você, é sempre bom pesquisar antes de aplicar produtos nas meninas. E, de fato, este cultivo minimalista é o que tem dado mais certo, por aqui!

      Muito obrigado pelo carinho e apoio da sua mensagem, adorei!

      Um grande abraço e tudo de bom, uma excelente semana para você também!

      Excluir
  8. Oi Sergio! Como vai? Ha algumas semanas tenho recebido artigos seus sobre orquideas no ape e fico extasiada com as fotos das flores que voce tem postado. Sou uma das apaixonadas e facinadas por orquideas. Estou tentando cria-las no apartamento [oitavo andar],lado do sol nascente, mas nada vai bem. Tento aplicar os conhecimentos adquiridos atravez de diversas revistas e livros, e agora os seus conselhos, perco muitos vasos principalmente depois da florada. As folhas ficam desidratas, enrugadas, e acabam morrendo isto porque as raizes apodrecem.Como posso evitar que isto aconteca? Quando morava em uma casa cheguei a ter 50 vasos e era tao natural que elas dessem flores todos os anos e que as raizes se desenvolvessem vigorosas e enchessem os vasos. No ape para que elas nao sofram com o ar mais seco da altura e tambem para proteger do sol , fiz um biombo com trepadeiras e fora isso tenho pulverizado cedo a noite mas o resultado e desanimador.Vejo que as raizes nao chegam a desenvolver ate o fundo dos vasos e apodrecem. Sera que voce poderia diagnosticar e me orientar? Acho que nao e excesso de agua pois molho quando o vaso esta seco. Desculpe me por tomar o seu precioso tempo. Meus parabens pelo que voce faz e pela sua dedicacao as orquideas.
    Abracos,
    Sanae Campinas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sanae, tudo bem? Fico muito contente por saber que está gostando das fotos! Muito obrigado pelo apoio!

      De acordo com a sua descrição, você está fazendo tudo certinho. O sol da manhã é ideal para as orquídeas. Talvez pelo fato do andar ser alto, o vento ajude a ressecar mais as plantas. Neste sentido, uma bandeja de umidade (com pedrisco, brita ou argila expandida) e uma lâmina de água no fundo pode ajudar a elevar a umidade relativa do ar. Outra coisa que ajuda é ajustar o substrato e o tipo de vaso. Aqui no 10º andar, o que tem funcionado é o sphagnum puro, com vaso de plástico. Esta combinação retém a umidade por mais tempo. Espero ter ajudado um pouco. Boa sorte no cultivo e muito obrigado pelo contato!

      Um grande abraço!

      Excluir