Uma orquídea fora de forma - e feliz


Mini-orquídea Laeliocattleya Pink Favourite
Laeliocattleya Pink Favourite

Todos os dias, somos bombardeados com mensagens, subliminares ou não, de que precisamos ser jovens, bonitos e magros para sermos felizes. De um simples comercial de margarina a um desfile da maison Dior em Paris, estamos sempre com a infeliz sensação de inconformidade. Aqueles dois quilos que sempre precisamos perder, a plástica no nariz, a lipoescultura, tudo sempre nos acenando com promessas de glamour e felicidade. 

No mundo das orquídeas, a realidade não é diferente. Durante séculos, os colecionadores vêm cruzando e selecionando os melhores exemplares para obter flores maiores, simétricas, belas e perfeitas. Cada pequeno detalhe conta valiosos pontos nos julgamentos das exposições, que por fim traduzem-se em cifras astronômicas para a elite das orquídeas. As feias, tortas ou defeituosas, ou são descartadas ou são amarradas nas árvores.

Confesso que eu mesmo já discriminei muita orquídea que floresceu por aqui, deixando de fotografá-las simplesmente porque não tinham a armação correta ou apresentavam pequenos defeitos nas pétalas. No afã de cultuar a beleza e perfeição técnica, deixei de registrar momentos únicos, de plantas especiais que deram um duro danado para sobreviver e florescer em condições não ideais.

Na contramão desta manada em prol da boa forma, vêm os japoneses com a estética Wabi-sabi, que aceita e valoriza o imperfeito, impermanente e incompleto. Bastante distante da percepção da maioria dos ocidentais, esta corrente estética encontra beleza nas coisas assimétricas e irregulares, remetendo-nos à simplicidade, economia e austeridade.

Neste contexto, trouxe hoje para vocês a imagem desta mini-orquídea magenta, a Laeliocattleya Pink Favourite. Como podem ver, ela não é jovem nem magra. Devido a uma polinização artificial, esta orquídea precisou abrir mão do viço e beleza de suas pétalas para gestar milhões de novas vidas, sementes microscópicas que se alojam na cápsula em formação. Quem ousaria dizer que esta orquídea, apesar de longe dos padrões ditados pela sociedade, não se encontra belíssima e muito feliz?

14 comentários:

  1. Eu gostei, nunca fui perfeccionista rsrs. Linda a sua maneira, um espetáculo da natureza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Andrea, tudo bem? Que ótimo saber que gostou, muito obrigado pela visita e pelo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Que maravilha de artigo Sérgio; fez uma analogia mestra em um tema tão polêmico! Parabéns pela reflexão e a orquídea tá lindona!
    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalo! Fico muito feliz com a sua mensagem, que bom que tenha gostado do artigo! Muito obrigado pelo apoio e consideração, sempre!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Olá,Sérgio!
    É mesmo a pura verdade que somos diariamente influenciados por determinados padrões estéticos de beleza e perfeição. E mesmo sem querer, somos muitas vezes levados à julgamentos errôneos e tão equivocados até no conceito da própria beleza natural...Infelizmente uma armadilha que tantas vezes caimos sem perceber! Mas quando nos damos conta disso à tempo e paramos para refletir sobre o assunto, é que realmente aprendemos a valorizar mais o que os "outros" acham que seja imperfeito ou não convencional. Também admiro essa visão oriental que já valoriza mais o que ainda é "inacabado" ou mesmo "diferente das convenções",pois isto acaba ampliando o nosso leque de oportunidades para tantas outras coisas interessantes ao nosso redor. Adorei o exemplo que você nos deu da "orquídea",mas aqui no meu coração, nunca as acho imperfeitas... Para mim serão sempre flores maravilhosas e cada uma delas tem um lugar reservado no cantinho mais bonito da minha memória!
    Uma semana muito florida,alegre e tranquila, e o meu abraço grande e carinhoso pra ti!!!
    Teresa
    ("Se essa lua fosse minha")

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Teresa, tudo bem? Amei ler o seu comentário, que bela reflexão sobre a maneira como contemplamos o mundo. Com a idade, tenho aprendido a valorizar outros quesitos que não a bela aparência. Muito obrigado pelas sábias palavras e pela contribuição valiosa ao artigo!

      Um grande abraço e uma excelente semana para você e sua família!

      Excluir
  4. Oi Sérgio, Nunca tive orquídeas "em forma". Aqui em casa é tudo sempre imperfeito, assim como o cultivo que vive sofrendo as mais diversas interperies, muito frio e umidade no inverno, calor de 40 graus no verão, substrato "mais ou menos", um gato que come um pedaço aqui, o cara da antena que derruba uns vasos ali e por ai vai. Esse domingo eu ganhei 40 orquídeas phalaenopsis que iam para o lixo de uma casa de festas, agora estou na responsabilidade de encontrar lugar para todas, prendê-las em árvores, arrumar vasos, mas vale a pena, mesmo com as pétalas tortas, eventualmente comidas e sem perfeição(mesmo).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jade! Que bom ler notícias suas! Fico contente por saber das suas novas moradoras, parabéns pelo belo gesto de resgatá-las. Também sonho em fazer algo neste sentido. Concordo com você, apesar destes pequenos detalhes, são todas sempre adoráveis!

      Muito obrigado pelo carinho da sua mensagem, enriqueceu enormemente o tema!

      Um grande abraço!

      Excluir
    2. Postei no instagram as orquídeas resgatadas, ainda estão a espera de vasos ou lugares, estavam presas em um poste decorativo em um casamento. Sexta já despacho 15 para uma nova morada nas árvores da casa da minha cunhada à beira do rio.

      Excluir
    3. Que legal, Jade, vou lá ver. Parabéns!

      Excluir
  5. Oi, Sergio. Totalmente de acordo. Certamente uma boa filosofia oriental capaz de classificar a beleza um pouco menos superficial. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Angel, tudo bem? Que bom que pensa assim, muito obrigado pelo comentário, sempre gentil e inteligente!

      Um grande abraço!

      Excluir
  6. Sérgio, que post adorável amigo!
    Você desmistificou, em cinco singelos parágrafos,toda essa ditadura da beleza que nos persegue, massacra e nos torna robôs sem ação e pensamento!

    Muito bom mesmo e tudo para apresentar essa linda orquídea magenta, que achei fantástica exatamente por ser rústica, sem nenhuma maquiagem ou adorno e ainda por cima estar tão FELIZ!!! Isso sim, é o que importa! A felicidade, independentemente da aparência!

    Abaixo os padrões de beleza, pois o que é importante é estar bem, se sentir bem e feliz! Não importa como, a felicidade é sempre o caminho!

    Valeu amigo, fiquei maravilhada e surpresa!
    Você, além de biólogo, sabe muto bem escrever e compor um texto com perfeição e colocar abaixo mitos.
    Linda semana querido amigo!!
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana, que bom que gostou! Imagine, muita gentileza sua, fico feliz em saber que pensa da mesma maneira.

      Sempre tive receio de postar fotos de orquídeas já envelhecidas, mas acho que é hora de mudar e experimentar novas abordagens!

      Seu comentário, como sempre, veio abrilhantar e enriquecer este tema. Muito obrigado pelo carinho das suas palavras, fico lisonjeado! Saiba que também admiro bastante o modo como elabora seus textos.

      Um grande beijo e uma ótima semana para você também!

      Excluir