Sementes ao vento


Sementes de Strelitzia reginae
Sementes de Strelitzia reginae

Fugindo um pouco do assunto 'orquídeas', não pude deixar de trazer para vocês a foto desta cápsula de sementes de Strelitzia reginae, que foi tirada por Tomoko e Helio Simizu. É interessante que, assim como a flor, as sementes também são belíssimas, todas paramentadas com esta espécie de pluma alaranjada.

Quando uma planta produz sementes, o intuito é que elas voem para o mais longe possível. Desta forma, a espécie é propagada e espalha-se pelo ambiente. As orquídeas possuem sementes tão minúsculas, que são facilmente levadas pelo vento. Outras plantas, como a Strelitzia, têm sementes maiores e precisam de uma ajudazinha extra.

Muitas vezes, plantamos sementes que não germinam. Isso ocorre porque elas têm um mecanismo de dormência, justamente para evitar que, ao cair no solo, brotem imediatamente. Se isso ocorresse, os filhotes nasceriam junto ao pé da planta-mãe, competindo com ela por nutrientes e luz. Com a dormência, elas ficam lá no chão, esperando uma oportunidade para serem levadas para um local mais distante. Isso é feito por  determinados animais, geralmente aves ou roedores, que se alimentam do fruto ou da semente. Uma vez na barriga desses bichos, as sementes passam por um tratamento ácido que as desperta da dormência.

Quando são finalmente expelidas pelo animal, já estão devidamente acordadas, prontas para germinar e, de quebra, ganharam uma carona e estão bem longe da planta-mãe. Acho que são detalhes como esse que nos evidenciam a perfeição da Criação. A Natureza é realmente surpreendente.

2 comentários:

  1. mto interessante!!!! nao sabia :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, né Lilize? A explicação está meio superficial, para não ficar muito enfadonho. Mas concordo, é bem interessante! Bjos!

      Excluir